[VOLTAR]
 
 
 
 


A BÍBLIA DO TREINAMENTO DE OMBROS - Parte III
Autor: Christian Thibaudeau
Tradução: v-shape
Artigo publicado em 21 de Maio de 2007 na revista online TESTOSTERONE NATION

 

Exercícios Auxiliares / Isoladores para Deltóides
15. Elevação lateral de ombros inclinada: O que eu mais gosto na variação inclinada é que você não consegue roubar de forma alguma. Você pode também desenvolver uma maior flexibilidade dos deltóides no início do movimento, o que ajuda muito nas fibras de contração rápida.

O lado negativo é que embora seja um exercício onde a cabeça lateral seja dominante, a porção anterior dos deltóides também será envolvida no ângulo do tronco. Note que você deve fazer um esforço para manter as costas dos halteres mais altas que as frentes para maximizar o recrutamento da cabeça lateral.
16. Elevação lateral sentado: Este movimento é similar à versão inclinada, mas não fornece alongamento e permite um pouco de roubo (o qual não é necessariamente ruim, se usado corretamente e na hora certa).
Porem, desde que o tronco esteja ereto ao invés de inclinado para trás, será fácil tirar a cabeça anterior fora do movimento. Continue focando em manter as costas dos halteres para cima.
17. Elevação unilateral de ombro lateralizado: Eu gosto muito deste exercício. Comparado com outra elevação lateral com halteres, este coloca os deltóides sob stress durante boa parte do movimento, tornando cada repetição mais efetiva. Sendo ele um movimento unilateral, ele facilita o recrutamento maior de unidades motoras em indivíduos com um alto déficit de flexibilidade, em iniciantes, e em indivíduos em recuperação.

18. Balanço lateral de halteres Gironda: Este é um exercício visualmente estranho, mas é uma forma muito efetiva de construir deltóides com ênfase na cabeça lateral.
Basicamente, o movimento é como fazer uma elevação unilateral enquanto o outro braço é levantado com o cotovelo dobrado em 90 graus. O braço curvado não faz muito esforço por causa da vantajoso dobramento do cotovelo, mas isto permite manter um pouco de tensão sobre o ombro durante todo o exercício. Tensão constante é igual a crescimento! A seqüência abaixo ilustra uma repetição deste exercício:
19. Elevação lateral com o peito escorado: Fazer elevação lateral com o tronco levemente inclinado para frente enquanto traz os braços para trás da linha do corpo irá inibir em grande parte a ação dos deltóides anteriores. Resultando em maior stress para as cabeças laterais e algum stress nas cabeças posteriores.
você pode simplesmente fazer uma elevação lateral com o tronco inclinado para frente em 30 graus, mas eu prefiro escorar o peito na parte superior de um banco para prevenir qualquer forma de roubo. Além disso, usar o banco facilita a postura.
Algumas vezes será conveniente usar um exercício no qual você precise contrair vários grupos musculares para manter uma postura adequada, mas se você estiver tentando isolar um certo agrupamento muscular, vai tirar o impulso nervoso deste e colocar nos outros músculos que também estão sendo requisitados, e como resultado será difícil ter um isolamento de qualidade no agrupamento muscular desejado.
Você deverá usar uma pegada em pronação quando estiver com os alteres para cima, de forma que ao final do movimento as palmas das suas mãos estejam viradas para baixo.
20. Elevação lateral com o tronco inclinado para frente: Este é um exercício clássico de deltóide posterior que também ativa os músculos rombóides e trapézios.
A pegada com os polegares virados para baixo infligem mais tensão na cabeça lateral dos deltóides. Com as palmas viradas para baixo terá um efeito mais global nos ombros, intensificando o stress na cabeça lateral dos deltóides e nos rombóides do que as outras pegadas. Finalmente, a pegada com os polegares para cima reduzirão o stress na cabeça posterior dos deltóides, colocando mais stress nos rombóides e trapézios.
Observe que nenhum exercício isolador para a porção anterior dos deltóides foi incluído na lista. Isto porque esta porção raramente fica retardatária ao restante do ombro. De fato, a maioria das pessoas tem um deltóide anterior muito mais desenvolvido que as outras porções. Muito poucos indivíduos irão precisar de trabalho isolado para esta parte do ombro.
Parâmetros de Carga Apropriada
Parâmetros de carga geralmente se referem a séries, reps, e a carga usada. Quando isto visa desenvolvimento dos ombros, muito esquemas de cargas diferentes podem ser usados. Os parâmetros de carga irão depender obviamente do seu objetivo (ênfase na força, no tamanho, estética, resistência e etc.) assim como sobre que tipo de exercício será executado.
Por exemplo, você irá geralmente executar poucas reps (com mais peso) nos exercícios básicos do que nos exercícios secundários. Similarmente, os exercícios secundários irão normalmente serem executados com menos reps do que os exercícios de isolamento. Mais séries serão também a norma para movimentos mais complexos (básicos e secundários).
A tabela abaixo irá fornecer a você um bom ponto de partida para planejar suas rotinas:
O único parâmetro que faltou ser explorado é o número de exercícios por sessão. Como regra básica, a maioria das pessoas deverá escolher cerca de 9 a 16 séries para os maiores agrupamentos musculares. Isto não é uma verdade absoluta. Sim, algumas pessoas podem tolerar mais volume do que isso. Sim, alguns não serão capazes de se recuperar com 9 boas séries de exercícios para um agrupamento muscular. Então use isso apenas como ponto de partida.
Então o número de exercícios por sessão irá depender do número de séries por exercício. Se você treinar para obter hipertrofia funcional (tamanho e força) e você tiver de 9 a 16 séries para “gastar”, você poderá fazer:
• 1 exercício básico de 5 séries, 1 secundário de 4 séries, 1 auxiliar de 3 séries (total de 12 séries de um treino)
ou
• 1 exercício básico de 4 séries, 2 secundários de 3 séries cada, 1 auxiliar de 3 séries (total de 13 séries)
ou
• 2 exercícios básicos de 4 séries cada, 1 secundário de 4 séries (total de 12 séries)
Frequência de treinamento
Os ombros são intensamente envolvidos durante os treinos de peitorais e às vezes na parte superior das costas também, então eles realmente recebem muito esforço indireto. Assim como, eles talvez não um treino “real” por semana.
A exceção seria uma rotina específica usada por alguns para ombros realmente subdesenvolvidos que necessitem dar ênfase nos desenvolvimento destes. Neste caso, é possível executar dois ou até três treinos semanais de ombros. Mas você terá que reduzir o volume de treino dos outros agrupamentos musculares (especialmente peitorais) para evitar um super stress dos deltóides.
Porém, mesmo que você não esteja usando esta aproximação específica, é possível treinar seus ombros duas ou três vezes por semana simplesmente fragmentando sua rotina. Fragmentar sua rotina significa que você dividirá seu volume semanal de treino em várias unidades menores de treino.
Por exemplo, ao invés de fazer 12 séries de uma rotina de deltóides, você pode realizar 6 séries duas vezes na semana ou 4 séries em três treinos por semana. Isto será especialmente útil quando os treinos forem mais específicos para força que para tamanho. Isso também pode ser feito como parte de uma rotina de corpo inteiro feita três vezes por semana, como divisões de corpo superior/inferior (4 a 6 sessões por semana), ou simplesmente adicionando um pequeno volume de treino para deltóides ao final de um treino com um agrupamento muscular maior.
Uma Observação Especial sobre Técnicas de Treinamentos
Técnicas avançadas como drop sets, pré-fadiga, pós-fadiga, rest/pause, contraste de tempo, etc são muito efetivas para os músculos, incluindo os deltóides. Porém, estes métodos são muito estressantes, tanto para as estruturas musculares como para o SNC. (sistema nervoso central) principalmente para as glândulas adrenais) Exageros nestas técnicas de tortura podem eventualmente levar um indivíduo a uma estagnação ou mesmo regressão.
Os deltóides são especialmente delicados devida à fragilidade da junta do ombro assim como ao fato de que os deltóides são usados em quase todos os movimentos de empurrar (não necessariamente como locomotores ativos, mas como fixadores e estabilizadores). Os ombros são mais suscetíveis à super stress do que outros agrupamentos musculares.
Por esta rasão, não é necessário usar muitas técnicas avançadas quando se treina os deltóides. Mas é interessante usar alguma coisa diferente de vez em quando ou durante uma fase específica, mas na maioria do tempo você deve escolher entre exercícios regulares e básicos.
Conclusão
Você agora tem as ferramentas necessárias para montar um bom programa de ombros. Na verdade este artigo mostrou a você como montar seu próprio treino de ombros pelos próximos dez anos! Vá em frente!
Sobre o autor
Christian Thibaudeau é um levantador olímpico, fisiculturista, e treinador de força. Chris ganhou notoriedade no fisiculturismo online mundial em meados de 1990 como principal colaborador da revista online de fisiculturismo Iron Magazine Online (ou IronMag).
Ele é atualmente um freqüente colaborador da revista Testosterone e técnico de atletas face a face via e-mail.
Thibaudeau participou de vários campeonatos de Levantamento Olímpico e fisiculturismo, mais recentemente em 2006 no Quebec Provincial Champions.
Fonte:
TESTOSTERONE NATION – Muscle With Attitude
http://www.t-nation.com/readArticle.do?id=1578184&cr=

 

 
Treino Hardcore - The Underground Gym - Copyright 2008 - Todos os direitos reservados.
ATENÇÃO: O site Treino Hardcore e seu conteúdo têm propósitos estritamente informativos. O site Treino Hardcore foi criado apenas para trocar informações sobre a filosofia do treino com pesos. O site Treino Hardcore não prescreve nenhum tipo de treinamento, dieta ou drogas, e não assume responsabilidade por nenhuma lesão ou qualquer situação causada pelos leitores. Antes de iniciar qualquer atividade física procure um médico, faça todos os exames e procure um profissional da área para prescrição de seus treinos individualizados. As informações contidas aqui não substituem a orientação de um profissional da área médica, nutricional e esportiva.
Desenvolvido por Nina Veiga